Category Archives: Efemérides

A propósito do dia de S. Valentim

No próximo dia 14 de fevereiro celebra-se o Dia de São Valentim. Assinalado em muitos países, como o dia dos namorados. A biblioteca escolar convida a comunidade escolar  para que venham até à zona informal de leitura e aproveitem para ler alguns textos da nossa literatura alusivos ao tema. Deixemos aqui algumas sugestões de leitura.

Livros em destaque

Magusto

O Dia de S. Martinho foi mais uma vez assinalado na nossa escola. A Biblioteca Escolar juntamente com as funcionárias do Bar realizaram o anunciado Magusto. Contrariando o dito popular “Verão de S. Martinho”, a chuva quis marcar presença neste momento de confraternização da comunidade escolar. Apesar deste constrangimento muitos foram os que provaram a castanha assada pelo professor António Padeira. Um bem haja a todos quantos contribuíram para a sua realização. As fotos

PAABEA Efemérides 2019/2020

Vamos imaginar… – Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

Neste mês de outubro, internacionalmente celebrado como o mês das bibliotecas escolares, é-nos proposto pela IASL o lema Vamos imaginar

Vamos imaginar… que os nossos alunos reconhecem o valor do património humano nas suas diferentes vertentes, que aprendem a criar, a pensar, a intervir, a fundamentar as suas opiniões, a melhorar a sua relação consigo, com os outros e que encontram o seu lugar no mundo.

Vamos imaginar… que se estabelecem pontes entre os vários agentes educativos na escola e que todos juntos construímos uma escola criativa, motivadora e geradora de um futuro promissor.

Vamos imaginar… que as bibliotecas respondem aos sonhos dos nossos alunos, dos nossos professores e da nossa escola.

Com o vosso trabalho, empenho e constante esforço de atualização, sei que podemos ir além de imaginar, concretizando muitos destes desafios.

Neste arranque de um mês tão simbólico para as bibliotecas, venho desejar os maiores sucessos ao longo deste ano letivo, sabendo-se que o êxito coletivo resulta dos bons resultados de cada um.

Cordialmente,

Manuela Pargana Silva

ManiFESTA-te pela leitura!

ManiFESTA-te pela leitura!
Dia Mundial do Livro
Chiado, 23 de abril, 14h30

Para comemorar o Dia Mundial do Livro, o Plano Nacional de Leitura 2027 vai realizar uma grande marcha pela leitura, um momento festivo de celebração do livro, dos autores e dos leitores.

O desfile realiza-se em Lisboa, no dia 23 de abril, às 14h30, partirá da Praça Luís de Camões e seguirá pelo Chiado, com paragens para leituras em voz alta nas livrarias BD Mania, Bertrand, Férin e FNAC. O desfile será acompanhado por músicos e por artistas do Chapitô.

Contamos com a vossa participação!

Contamos com todos os que gostam de livros, leitura e palavras!

©PNL2019 http://www.pnl2027.gov.pt/np4/diamundialdolivro2019.html

Imagem

Magusto – Dia de São Martinho

Dia Internacional da mulher

Porquê esta data?

Neste dimulheresa, no ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica para reivindicar a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica, onde se declarou um incêndio.Cerca de 130 mulheres morreram queimadas. Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido homenagear aquelas mulheres, proclamando o dia 8 de Março como “Dia Internacional da Mulher”(ler mais)

©PAABECRE Efemérides Dia Internacional da Mulher 2017/2018

CESÁRIO VERDE (1855-1886)

Foi um dos grandes poetas portugueses. A sua obra não é muito vasta, porque morreu de tuberculose com apenas trinta e um anos. Foi jornalista e começa a publicar os seus poemas nos jornais, sobretudo no Diário de Notícias. Apesar desta divulgação, a importância da sua obra não foi reconhecida durante a sua vida. Foi, aliás, mordazmente criticada por Ramalho Ortigão e Teófilo Braga, seus contemporâneos. Só em 1887, um ano depois da sua morte, e quando Silva Pinto faz publicar em livro alguns dos poemas, “O livro de Cesário Verde”, é que começa o seu apreço público. Escreveu mais poesia, mas os outros poemas acabaram por não ser publicados por terem desaparecido num incêndio em sua casa, em 1919.

Hoje, a sua obra é muito apreciada. “Só” é, talvez, o seu livro mais conhecido, o “livro mais triste publicado em Portugal”, segundo o autor. Mas é indubitável a sua influência na poesia moderna portuguesa. Um modernista antes do tempo: o retrato da vida quotidiana, das coisas humildes e simples do dia a dia; o binómio campo/cidade, que serve de suporte aos sentimentos e ideias do poeta, aproximam-no do Realismo e do Naturalismo. A sua obra tem sido objecto de estudo, com opiniões muito variadas.(saber mais).

Efemérides

Ficha informativa

Base de Dados de Autores Portugueses

(adaptação nossa: professora Adelaide Saraiva)

©PAABECRE Efemérides Cesário Verde 2017/2018

Almeida Garrett, 4 de fevereiro de 1799

 

 

 

 

 

 

 

 

 

João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret nasceu na cidade do Porto no dia 04 de fevereiro de 1799. Teve uma vida muito ativa em vários domínios da história de Portugal. Foi político, romancista, dramaturgo, poeta e jornalista. Homem das letras e da cultura, tantas vezes incompreendido e esquecido, Almeida Garrett, deu uma nova expressão à língua portuguesa, ressuscitou e renovou o teatro nacional, coligiu a tradição oral popular num livro que é tido por alguns especialistas como a primeira expressão da etnografia portuguesa – o famoso “Romanceiro” – e participou activamente na vida política do país, tendo sido deputado, diplomata e ministro. Inovador no seu tempo, publicou o poema libertino O Retrato de Vénus (1821) que absorve a atenção da crítica, sendo assim taxado e processado como ateu e imoral. Mas também na política tem uma vida complicada. Lutou ao lado de D. Pedro contra os absolutistas e pagou pelas suas convicções políticas, mais do que uma vez, o preço do exílio.

Foi durante o seu exílio em Inglaterra que ele descobriu Shakespeare, Lord Byron e Walter Scott e o romantismo inglês. Traz para Portugal o ideário Romântico e, publica o poema “Camões” (1825), introduzindo o romantismo na literatura portuguesa. Pouco privilegiado pelos novos programa de português, o seu ensino reduz-se hoje ao estudo de Frei Luís de Sousa e alguma poesia, nitidamente insuficiente, segundo a especialista Rosa Cruz que lamenta: “um dos pilares do romantismo nacional é colocado numa posição acessória na formação literária dos alunos portugueses”. Mas como esquecer os poemas da Nau Catrineta e Barca a Bela que nos habituámos a trautear?

Principais obras de Almeida Garrett:

– Camões (1825)

– Dona Branca (1826)

– Adosinda (1828)

– Catão (1828)

– Romanceiro (1843)

– Cancioneiro Geral (1843)

– Frei Luís de Sousa (1844)

– Flores sem Fruto (1844)

– D’O Arco de Santana (1845)

– Folhas Caídas (1853)

Outras fontes

Efemérides

Base de Dados de Autores Portugueses

(adaptação nossa: professora Adelaide Saraiva)

©PAABECRE Efemérides Almeida Garrett 2017/2018

Dia de S. Martinho

Na véspera do dia de São Martinho, (durante os principais intervalos do dia),a biblioteca recordou com os seus utilizadores a Lenda de São Martinho, através da leitura de alguns textos. Ao longo do dia alunos, professores e funcionários trocaram impressões a propósito desta tradição. Cabe aqui uma palavra especial de agradecimento à Florbela, assistente operacional da nossa escola que ofereceu as castanhas que deliciaram todos quantos quiseram estar presentes.  Bem haja (ver as fotos)

Conta a lenda que um soldado romano, de nome Martinho, estaria a caminho da sua terra natal. No caminho deparou-se com um mendigo que lhe pediu esmola. Martinho rasgou, então, a sua capa em duas metades e entregou uma ao mendigo. Subitamente, o tempo aqueceu e as nuvens desapareceram.  Desde aquele dia, 11 de novembro, em todos os anos é celebrado o “verão de S. Martinho”, altura em que as pessoas fazem um Magusto com a  degustação de castanhas assadas e vinho ou água-pé da colheita do ano anterior:”o dia de São Martinho, pão, castanhas e vinho”. (ler mais)

Recolha por professora Adelaide Saraiva

PAABEA novembro 2017

 

 

outubro – Mês Internacional da Biblioteca Escolar

Lema: “Ligando comunidades e culturas”

As bibliotecas escolares desempenham um papel muito importante nas escolas e são um veículo de transmissão de conhecimento, não apenas através dos livros mas também das atividades que aqui se desenvolvem.

A Biblioteca Escolar Centro de Recursos Educativos (BECRE) vai levar acabo algumas iniciativas no âmbito do mês internacional das bibliotecas escolares para as quais convida todos os professores e alunos a participarem. Nesse sentido sublinham-se:

Formação de utilizadores:

Duração: 1 tempo letivo

Destinatários: Alunos do CEF,  1º ano dos cursos profissionais e 10º ano, acompanhados pelos respetivos diretores de turma.

Objetivo

Sensibilizar os novos alunos para a utilização da biblioteca escolar, serviços e procedimentos associados. Os diretores de turma podem solicitar a marcação da referida formação junto do professor bibliotecário António Padeira ou através do email: biblioteca.essje@gmail.com

Workshop: Biblioteca Digital – Leitores de ebook (eReader):

Duração: 1 tempo letivo

Destinatários: Alunos e professores

Objetivo

Apresentação dos leitores de ebook  (eReader)da KOBO adquiridos recentemente pela BECRE tendo em vista o seu empréstimo para atividades de leitura em sala de aula. Os professores podem inscrever as suas turmas junto do professor bibliotecário António Padeira ou através do email: biblioteca.essje@gmail.com

Projeto de Leitura:

Duração: Ao longo do Ano letivo

Destinatários: Alunos e professores

Objetivo

Promover o gosto pela leitura nomeadamente no âmbito de Projetos de Leitura previsto no programa da disciplina de Português. A sua concretização poderá passar pela disponibilização das obras existentes no catálogo  e pela organização de momentos de leitura no espaço da biblioteca escolar. Os professores interessados poderão agendar com o professor bibliotecário António Padeira os momentos considerados mais oportunos para as respetivas turmas.

 

António Padeira/setembro/2017